Olá, eu pretendia ser breve, mas não consigo, então esse post será feito em duas partes (ou mais).

No dia 05 de novembro de 2015 houve um desastre que deixou boa parte do país como quem prende a respiração diante de uma situação imaginável. Ontem completou um mês do rompimento da barragem da mineradora Samarco, que deixou um rastro de morte no distrito de Mariana, Minas Gerais, causando danos que ainda não se sabe a extensão e por quanto tempo perdurarão.

Samarco, responsável pela barragem, e por muitos considerada a definitiva culpada do desastre, pertence ao uma espécie de junção entre a Vale (antiga Vale do Rio Doce que era uma estatal, se não me engano, mas que agora deveria mudar para Vale do Rio Que Matamos – sério, pense no diferencial!) e outra empresa estrangeira. Diante do cenário político atual, pude perceber diversas discussões que envolviam principalmente questões referentes ao prejuízo que os políticos trazem ao nosso país.

Houve quem criticasse o posicionamento de Dilma, quem criticasse o capitalismo, quem criticasse a privatização em especial. No entanto, não quero falar desses aspectos, mas sinto que devo pontuar bem claramente que sim, CLARO, culpabilizo as empresas responsáveis pela barragem pela destruição que causaram não só em Mariana, mas por toda partícula do ecossistema que foi e está sendo aos poucos brutalmente destruído por causa do descaso com que trataram a mineração. Sabem o que acho que vocês deveriam fazer com o dinheiro de vocês, não é?

Mas… E quanto a responsabilidade daqueles resíduos?

Continuar lendo “Seres humanos, servos da morte – Parte I”